Os registros da Igreja revelam que na diocese de Jerusalém houve um bispo que foi eleito com quase cem anos de idade. E que ele teria morrido com mais de cento e dezesseis anos. Um fato raro na história da Igreja Católica.

 

Conta-se que Narciso, não era judeu e teria nascido no ano 96. A lembrança que se guardou dele é a de um homem austero, penitente, humilde, simples e puro. Também que, desde a infância, tem demonstrado apego à religião, esperou a idade necessária para tornar-se sacerdote.

 

Executou um trabalho tão admirável, amando os pobres e doentes, que a população logo o quis para conduzir a paróquia de São Tiago. Como bispo, a idade não pesou, governou com firmeza em um longo período marcado por atuações importantes e vários milagres. Presidiu o Concilio em que se decidiu que a Páscoa devia cair no domingo. Diz que foi também na véspera de uma festa de Páscoa que Narciso transformou água em azeite para acender as lamparinas da igreja que estavam secas.

 

Um fato marcou tragicamente a vida de Narciso. Ele foi caluniado, sob juramento, por três homens.

Um deles disse: “Que eu seja queimado vivo se estiver mentindo!”

Outro disse: “Que a lepra me devore se eu não estiver falando a verdade!”;

Já o terceiro: “Que eu fique cego se não for verdade o que digo!”.

 

Embora perdoasse seus detratores, o inocente bispo preferiu retirar-se para o isolamento e em oração num deserto. Mas não tardou para que os caluniadores recebessem seu castigo. Um morreu carbonizado num incêndio, no qual pereceu também toda sua família. O outro ficou leproso e o terceiro chorou tanto em público, arrependido do crime cometido, que ficou cego.

 

O bispo Narciso não foi encontrado para reassumir seu cargo e todos pensaram que tivesse morrido. Assim, outro bispo tomou posse em seu lugar, depois outro e mais outro. Anos depois, Narciso retornou a Jerusalém. O povo o acolheu com aclamação e reassumiu com glória as suas funções.

 

A última notícia que temos desse bispo de Jerusalém está numa carta escrita por santo Alexandre, na qual cita que o longevo bispo Narciso tinha completado cento e dezesseis anos, e, como ele, exortava para que a concórdia fosse mantida.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA