Segundo o testemunho de Dionísio, o Menor, narrado pelo Martirológio Romano- Monástico, “ procurou mais servir do que exercer a sua autoridade, associou a castidade aos méritos da doutrina, e morreu pobre, após ter enriquecido os indigentes”.

 

Gelásio nasceu em Roma, de origem africana, culto, inteligente e dotado de personalidade forte. Cristão praticante foi conselheiro do papa Félix III, que vinha tentando conciliar as igrejas do Oriente e do Ocidente. No ano de 492, com a morte do papa, foi eleito sucessor para dar continuidade a essa missão, o que não conseguiu por causa da oposição do imperador Anastácio I.

 

Papa Gelásio I se empenhou para manter a doutrina recebida dos apóstolos, combatendo e tentando eliminar as heresias dos sacerdotes Mane e Pelágio. Foi o primeiro pontífice a expressar a máxima autoridade do bispo de Roma sobre toda a Igreja.

 

Desenvolveu um grande trabalho de renovação litúrgica. Organizou e presidiu o sínodo de 494, no qual saiu aprovada a grande renovação litúrgica da Igreja. Assim, ele instituiu o Sacramentário Gelasiano, para uniformizar as funções e ritos das várias igrejas. Trata-se do decreto que, contém cerca de cinqüenta prefácios litúrgicos, uma coletânea de orações para recitar durante a missa. No momento, esse e os outros decretos que assinou fazem parte do acervo do Museu Britânico.

 

Papa Gelásio I viveu em oração e insistia que seus clérigos fizessem o mesmo. Segundo Dionísio, o Pequeno, ele procurou mais servir do que dominar e morreu pobre, depois de servir os necessitados. Por sua caridade, foi chamado “papa dos pobres”.

Morreu em 21 de novembro no ano de 496, em Roma.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorSão Félix de Valois
Próximo artigoSanta Cecilia

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA