Unir jogos de computadores e educação em uma aula de religião é uma aposta inovadora do sacerdote marianista e engenheiro de informática, Pe. Daniel Pajuelo, que vem tendo êxito com o projeto “Zona Educativa Minecraft”, que agora irá desenvolver na Colômbia.

Minecraft é um popular jogo de computador “de mundo aberto”, que pode ser descrito como uma espécie de lego virtual, onde os jogadores constroem uma grande variedade de coisas como edifícios e paisagens, criando uma realidade online.

“Em setembro do ano passado, introduzi Minecraft na disciplina religião, o que já vinha pensando há muito tempo, e me dei conta de que tinha um grandíssimo potencial para fomentar a imaginação das crianças”, explica Pe. Strang.

Com este projeto, o sacerdote fazia seus alunos falar com um pároco e conhecer os distintos lugares de uma paróquia católica. Depois, as crianças tinham que construir, o mais preciso possível, sua própria igreja no mundo de Minecraft.

“Alguns meses depois, a Microsoft entrou em contato, porque, eu não sabia na ocasião, esta empresa tinha comprado o jogo Minecraft e queria desenvolver uma versão educativa que foi lançada em junho deste ano. Nós, sem saber, nos antecipamos alguns meses”, conta o sacerdote.

Um interesse que fez com que o próprio Satya Nadella, diretor geral da Microsoft, uma das maiores empresas do mundo, visitasse a aula de religião do Pe. Pajuelo, no Colégio Amorós, de Madri, Espanha.

Este projeto inovador ultrapassou as fronteiras e agora chegou à Colômbia.

“A fundação da Colômbia ‘Todos somos gamers’ entrou em contato comigo para colaborar e utilizar Minecraft para ajudar as 800 crianças que vivem no orfanato de Bogotá, a Associação Lares Luz e Vida, através do projeto ‘Ciudad Esperanza’”, explica. Embora inicialmente parecesse muito complicado o projeto, aos poucos tudo foi se encaminhando.

“A Associação Lares Luz e Vida atende cerca de 1000 crianças, a maioria com deficiência. Contaram-me que as pessoas com dificuldades motoras ou até mesmo paralisia cerebral jogam Minecraft com os pés ou com sensores que detectam o movimento dos olhos. Àqueles que têm deficiência mental, ajuda a ter habilidades cognitivas, e os que estão em risco de exclusão social melhoram seus conhecimentos do mundo digital”, assegura.

Por isso, finalmente o Colégio Amorós, dirigido pelos marianistas, se uniu a este orfanato colombiano através de Minecraft e com a ajuda da Microsoft.

“Essas crianças jogam este jogo e se conectam com Madri. Ambos conhecem realidades a milhares de quilômetros de distância, outra sociedade, outras situações e isso os ajuda a construir algo juntos, não só em Minecraft, mas também uma amizade na vida real. Além de mostrar ao mundo que se pode educar através dos jogos de computadores”

fonte

Comentários

  1. A escola deve ensinar o que é cientifico e contribuir na formação cidadã com reflexões que contribuam para a formação de pessoas que respeitem a si mesmo e aos outros, sendo tolerante com as diferenças, mas não se deixando influenciar por ideologias que vão contra seus valores que pessoais ou familiares.

DEIXE UMA RESPOSTA