Papa escreve a Polycarpos: por uma unidade visível

0
89

Em uma cerimônia realizada em Veneza, tomou posse o novo metropolita ortodoxo da Itália e Exarca da Europa Meridional o cardeal Polycarpos. Em sua mensagem, Francisco espera que, em tempos de pandemia, a comunhão que já une católicos e ortodoxos se torne “uma unidade plenamente visível”

Adriana Masotti – Vatican News

“Uno-me ao senhor, ao clero e aos fiéis presentes, ao invocar do Pai, fonte de todos os bens, abundantes bênçãos celestiais sobre sua pessoa e sobre o seu ministério”. Assim escreveu o Papa Francisco em um telegrama enviado a Dom Polycarpos Stavropoulos, o novo Metropolita Ortodoxo da Itália e Exarca Meridional da Europa, por ocasião da cerimônia de posse na manhã de quinta-feira (11) na igreja de São Jorge dei Greci em Veneza. O Papa escreveu ainda: “Confio que juntos, católicos e ortodoxos, possamos nos comprometer generosamente ao serviço dos mais frágeis, especialmente neste tempo de pandemia, transformando, com a ajuda de Deus, a comunhão que já nos une em plena unidade visível”.

A proclamação oficial foi seguida pelo discurso do Metropolita Polycarpos, que saudou e agradeceu aos presentes e reviu as etapas de seu caminho ao serviço da Igreja de Cristo. Um caminho que já o havia conduzido, após sua ordenação diaconal e sacerdotal pelo futuro Patriarca Bartolomeu, a uma longa experiência na Itália como Vigário Geral e também de seu falecido antecessor, o Metropolitano Gennadios, bem como o cargo de Metropolita da Espanha e Portugal. Por fim, o Metropolita ilustrou, com intensidade e grande afeto pastoral, os pontos de seu programa como pastor ao serviço da Igreja Ortodoxa Italiana.

Mensagem do Cardeal Koch

O cardeal Kurt Koch Presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos enviou também palavras de grande estima em uma mensagem. O cardeal lembra da importância do trabalho conjunto “na proclamação da Palavra de Deus, na educação das novas gerações e no serviço aos mais necessitados” para “uma contribuição real e eficaz no caminho para a plena restauração da comunhão entre nossas Igrejas”.