OITAVA DO NATAL (Branco, Glória, Prefácio do Natal – Ofício do Dia)

Antífona de entrada
Um menino nasceu para nós: um filho nos foi dado! O poder repousa nos seus ombros. Ele será chamado mensageiro do conselho de Deus (Is 9,6).
Oração do Dia
Deus eterno e todo-poderoso, que estabelecestes o princípio e a plenitude de toda a religião na encarnação do vosso Filho, concedei que sejamos contados entre os discípulos daquele que é toda a salvação da humanidade. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

1a Leitura – 1 João 2,18-21
Leitura da primeira carta de são João.
2 18 Filhinhos, esta é a última hora. Vós ouvistes dizer que o Anticristo vem. Eis que já há muitos anticristos, por isto conhecemos que é a última hora.
19 Eles saíram dentre nós, mas não eram dos nossos. Se tivessem sido dos nossos, ficariam certamente conosco. Mas isto se dá para que se conheça que nem todos são dos nossos.
20 Vós, porém, tendes a unção do Santo e sabeis todas as coisas.
21 Não vos escrevi como se ignorásseis a verdade, mas porque a conheceis, e porque nenhuma mentira vem da verdade.
Palavra do Senhor.

Salmo – 95/96
O céu se rejubile e exulte a terra!

Cantai ao Senhor Deus um canto novo,
cantai ao Senhor Deus, ó terra inteira!
Cantai e bendizei seu santo nome!
Dia após dia anunciai sua salvação.

O céu se rejubile e exulte a terra,
aplauda o mar com o que vive em suas águas;
os campos com seus frutos rejubilem
e exultem as florestas e as matas.

Na presença do Senhor, pois ele vem,
porque vem para julgar a terra inteira.
Governará o mundo todo com justiça,
e os povos julgará com lealdade.

Evangelho – João 1,1-18
Aleluia, aleluia, aleluia.
A palavra se fez carne, entre nós ela habitou; e todos os que a acolheram, de Deus filhos se tornaram (Jo 1,14.12).

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João.
1 1 No princípio era o Verbo, e o Verbo estava junto de Deus e o Verbo era Deus.
2 Ele estava no princípio junto de Deus.
3 Tudo foi feito por ele, e sem ele nada foi feito.
4 Nele havia a vida, e a vida era a luz dos homens.
5 A luz resplandece nas trevas, e as trevas não a compreenderam.
6 Houve um homem, enviado por Deus, que se chamava João.
7 Este veio como testemunha, para dar testemunho da luz, a fim de que todos cressem por meio dele.
8 Não era ele a luz, mas veio para dar testemunho da luz.
9 era a verdadeira luz que, vindo ao mundo, ilumina todo homem.
10 Estava no mundo e o mundo foi feito por ele, e o mundo não o reconheceu.
11 Veio para o que era seu, mas os seus não o receberam.
12 Mas a todos aqueles que o receberam, aos que crêem no seu nome, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus,
13 os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas sim de Deus.
14 E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos sua glória, a glória que o Filho único recebe do seu Pai, cheio de graça e de verdade.
15 João dá testemunho dele, e exclama: “Eis aquele de quem eu disse: ‘O que vem depois de mim é maior do que eu, porque existia antes de mim’”.
16 Todos nós recebemos da sua plenitude graça sobre graça.
17 Pois a lei foi dada por Moisés, a graça e a verdade vieram por Jesus Cristo.
18 Ninguém jamais viu Deus. O Filho único, que está no seio do Pai, foi quem o revelou.
Palavra da Salvação.

Oração Sobre as Oferendas
Concedei, ó Deus todo-poderoso, fonte da verdadeira piedade e da paz, que nos honremos dignamente com estes dons e, pela participação nestes mistérios, reforcemos os laços que nos unem. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona de Comunhão
Deus enviou ao mundo o seu filho único, para que vivamos por ele (1Jo 4,9).

Depois da Comunhão
Ó Deus, que o vosso povo, sustentado com tantas graças, possa receber hoje e sempre os dons do vosso amor para que, confortado pelos bens transitórios, busque mais confiantemente os bens eternos. Por Cristo, nosso Senhor.

PALAVRA DO BISPO

Com o Ano da Misericórdia, certamente todos tivemos a oportunidade de redescobrir as obras de misericórdia corporal: dar de comer aos famintos, dar de beber aos sedentos, vestir os nus, acolher os peregrinos, dar assistência aos enfermos, visitar os presos, enterrar os mortos. E as obras de misericórdia espiritual: aconselhar os indecisos, ensinar os ignorantes, admoestar os pecadores, consolar os aflitos, perdoar as ofensas, suportar com paciência as pessoas molestas, rezar a Deus pelos vivos e defuntos. O Papa Francisco também incluiu o cuidado da casa comum, como uma nova obra de misericórdia: “Como obra de misericórdia espiritual, o cuidado da casa comum requer ‘a grata contemplação do mundo’, que ‘nos permite descobrir qualquer ensinamento que Deus quer nos transmitir por meio de cada coisa’. Como obra de misericórdia corporal, o cuidado da casa comum requer aqueles ‘simples gestos quotidianos, pelos quais quebramos a lógica da violência, da exploração, do egoísmo’ e se manifesta o amor ’em todas as ações que procuram construir um mundo melhor’”.

Que todos tenhamos aprendido, com o Jubileu da Misericórdia, o valor sagrado e supremo do Sacramento da Reconciliação e de como é importantíssimo termos em nossas igrejas o confessionário para atendermos a todos que procuram esse sacramento. Sim, no Sacramento da Confissão nos encontramos diante do Trono da Misericórdia de Deus.

Agora, a partir de 12 de outubro, estamos sendo motivados a viver o Ano Nacional Mariano, em comemoração aos 300 anos do encontro da Imagem de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, nas águas do rio Paraíba do Sul. Esse ano, que será concluído aos 11 de outubro de 2017, nos ajudará a celebrar, fazer memória e agradecer.Que também faça crescer ainda mais em nós o fervor desta devoção mariana e a alegria em fazer tudo o que Jesus disser (cf. Jo 2,5).

Guiados pela força do Espírito Santo, iluminados pelo Evangelho, pelas Diretrizes da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil, pelas sábias exortações do Papa Francisco, que nos incentiva a vivermos a alegria do evangelho, a cuidarmos da nossa casa comum e a zelarmos pelo bem da família, como também pelos eixos fundamentais do nosso Plano de Ação Evangelizadora, Missão e Família, Missão e Juventude, Missão e Comunidades e Ministérios e alimentados pela Eucaristia, queremos que a nossa Diocese tenha condições necessárias para ser uma “Igreja em saída missionária”. Uma Igreja profundamente comprometida com o Evangelho e com todos os valores que afirmam a vida, a verdade, a honestidade, a alegria e a liberdade. Uma Igreja capaz de partilhar os dons e envolver os seus membros nos seus diversos espaços eclesiais tais como,Grupos de Vivência, Diaconias, Comunidades e Paróquias.Que em todos esses ambientesse possa experimentar o que diz a Encíclica Evangelii Gaudium n.114, “A Igreja deve ser o lugar da misericórdia gratuita, onde todos podem se sentir acolhidos, amados, perdoados e animados a viverem segundo a vida boa do Evangelho”.

Então, encerramos o Ano da Misericórdia, iniciamos o Ano Mariano e o novo ano litúrgico com o tempo do Adventoque nos prepara para celebrarmos santamente o Natal do Senhor. Mais oportunidades favoráveis para fazermos profundas experiências de encontro com Deus, bem como, ocasiões especiais de alegria, de gratidão, de zelo apostólico e de disponibilidade para continuarmos servindoa Igreja Diocesana em suas diversas necessidades, e assim permanecermos em estado permanente de missão.

“Ao celebrarmos com alegria o Natal do nosso Salvador, Deus nos conceda alcançar, por uma vida santa, o seu eterno convívio”. E que todos celebrem um santo e feliz Natal!

Acompanhados e protegidos por sua maternal intercessão, que a Virgem de Nazaré nos auxilie a progredir sempre mais como discípulas e discípulos, missionários de Cristo!

Dom Celso A. Marchiori

Bispo Diocesano de Apucarana

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA