SÃO BENTO – ABADE E PAI DOS MONGES

(branco – ofício da memória)

Bento (Itália, 480-547), grande místico, depois de anos de silêncio, solidão e oração, ergueu o mosteiro que viria a ser o modelo da vida monástica da Igreja e elaborou sua célebre regra, centrada na oração e no trabalho. É padroeiro da Europa.

Primeira Leitura: Isaías 1,10-17

Leitura do livro do profeta Isaías – 10Ouvi a palavra do Senhor, magistrados de Sodoma, prestai ouvidos ao ensinamento do nosso Deus, povo de Gomorra. 11Que me importa a abundância de vossos sacrifícios? – diz o Senhor. Estou farto de holocaustos de carneiros e de gordura de animais cevados; do sangue de touros, de cordeiros e de bodes não me agrado. 12Quando entrais para vos apresentar diante de mim, quem vos pediu para pisardes os meus átrios? 13Não continueis a trazer oferendas vazias! O incenso é para mim uma abominação! Não suporto lua nova, sábado, convocação de assembleia: iniquidade com reunião solene! 14Vossas luas novas e vossas solenidades, eu as detesto! Elas são para mim um peso, estou cansado de suportá-las. 15Quando estendeis as vossas mãos, escondo de vós os meus olhos. Ainda que multipliqueis a oração, eu não ouço: vossas mãos estão cheias de sangue! 16Lavai-vos, purificai-vos. Tirai a maldade de vossas ações de minha frente. Deixai de fazer o mal! 17Aprendei a fazer o bem! Procurai o direito, corrigi o opressor. Julgai a causa do órfão, defendei a viúva. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 49(50)

A todo homem que procede retamente / eu mostrarei a salvação que vem de Deus.

  1. Eu não venho censurar teus sacrifícios, / pois sempre estão perante mim teus holocaustos; / não preciso dos novilhos de tua casa / nem dos carneiros que estão nos teus rebanhos. – R.
  2. Como ousas repetir os meus preceitos / e trazer minha aliança em tua boca? / Tu que odiaste minhas leis e meus conselhos / e deste as costas às palavras dos meus lábios! – R.
  3. Diante disso que fizeste, eu calarei? / Acaso pensas que eu sou igual a ti? / É disso que te acuso e repreendo / e manifesto essas coisas aos teus olhos. – R.
  4. Quem me oferece um sacrifício de louvor, / este, sim, é que honra de verdade. / A todo homem que procede retamente / eu mostrarei a salvação que vem de Deus. – R.
Evangelho: Mateus 10,34-11,1

Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus – Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:34“Não penseis que vim trazer paz à terra; não vim trazer a paz, mas sim a espada. 35De fato, vim separar o filho de seu pai, a filha de sua mãe, a nora de sua sogra. 36E os inimigos do homem serão os seus próprios familiares.37Quem ama seu pai ou sua mãe mais do que a mim não é digno de mim. Quem ama seu filho ou sua filha mais do que a mim não é digno de mim. 38Quem não toma a sua cruz e não me segue não é digno de mim. 39Quem procura conservar a sua vida vai perdê-la. E quem perde a sua vida por causa de mim vai encontrá-la. 40Quem vos recebe, a mim recebe; e quem me recebe, recebe aquele que me enviou. 41Quem recebe um profeta, por ser profeta, receberá a recompensa de profeta. E quem recebe um justo, por ser justo, receberá a recompensa de justo. 42Quem der ainda que seja apenas um copo de água fresca a um desses pequeninos, por ser meu discípulo, em verdade vos digo, não perderá a sua recompensa”. 11,1Quando Jesus acabou de dar essas instruções aos doze discípulos, partiu daí a fim de ensinar e pregar nas cidades deles. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Nem todos aceitam as exigências do Reino de justiça e paz que Jesus veio estabelecer neste mundo. Os que defendem uma sociedade assentada no poder, na riqueza e numa vida egoísta, dificilmente vão acolher o Messias com sua mensagem de amor filial a Deus e de comunhão fraterna. A uma sociedade injusta e opressora Jesus contrapõe os valores da paz. Não que Jesus declare guerra abertamente; é sua mensagem que provoca a hostilidade dos que a rejeitam; esses é que empunham a espada (divisão). Vêm à nossa mente as palavras do velho Simeão, quando da apresentação de Jesus no Templo: “Eis que este menino será causa de queda e reerguimento de muitos em Israel” (Lc 2,34). O próprio Jesus mostra qual é a natureza da paz que ele nos dá: “A paz que lhes dou não é como a paz que o mundo dá” (Jo 14,27).

(Dia a dia com o Evangelho 2016 – Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp)

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA