É necessário “ajudar os jovens a descobrir o valor e a riqueza do matrimônio”, expressou o Papa Francisco na exortação apostólica Amoris Laetitia apresentada no dia 8 de abril. A seguir, confira uma série de conselhos do Pontífice aos noivos:

1. Recordem a importância das virtudes, “entre estas, a castidade resulta ser condição preciosa para o crescimento genuíno do amor interpessoal”.

2. “Aprender a amar alguém não é algo que se improvisa, nem pode ser o objetivo de um breve curso antes da celebração do matrimônio”. Cada pessoa se prepara para o matrimônio desde seu nascimento, aprendendo de seus pais “o que é um matrimônio cristão”.

3. Compreendam que o matrimônio “é uma questão de amor, só se podem casar aqueles que escolhem livremente e se amam”.

4. É bom assistir os grupos de noivos, entretanto, “são indispensáveis alguns momentos personalizados, dado que o objetivo principal é ajudar cada um a aprender a amar esta pessoa concreta com quem pretende partilhar a vidainteira”.

5. Durante o noivado devem ter a capacidade de reconhecer “incompatibilidades e riscos e aceitar que não é razoável apostar naquela relação, para não se expor a um previsível fracasso que terá consequências muito dolorosas”

6. Por isso, falem “o que cada um espera de um eventual matrimônio, a sua maneira de entender o que é o amor e o compromisso, aquilo que se deseja do outro, o tipo de vida em comum que se quer projetar”.

7. Recordem que o compromisso expresso no matrimônio, “quando se trata de dois batizados, só podem ser interpretados como sinais do amor do Filho de Deus feito carne e unido com a sua Igreja em aliança de amor”.

8. Portanto, este sacramento não é um momento que logo faz parte do passado e das lembranças, mas “exerce a sua influência sobre toda a vida matrimonial, de maneira permanente”.

9. Não se concentrem apenas na festa, mas dediquem o melhor das suas forças “a preparar-se como casal para o grande passo que, juntos, vão dar”. Tenham “a coragem de ser diferentes, não vos deixeis devorar pela sociedade do consumo e da aparência. O que importa é o amor que vos une, fortalecido e santificado pela graça”.

10. O casamento não é o fim do caminho, pois o matrimônio é “uma vocação que os lança para diante, com a decisão firme e realista de atravessarem juntos todas as provações e momentos difíceis”.

11. No dia em que se casarem rezem juntos, “um pelo outro, pedindo ajuda a Deus para serem fiéis e generosos, perguntando juntos a Deus que espera deles, e inclusive consagrando o seu amor diante de uma imagem de Maria”.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA